Entrevista: Roberto Rodrigues, o assessor mais pop do mercado

O jornalista Roberto Rodrigues, conversa com exclusividade com o Agito Total e fala sobre o seu trabalho no comando da agência Talentmix, especializada em eventos, ações de relacionamento e assessoria de imprensa de artistas como a cantora Wanessa, Banda Cine, o ator Marcos Pasquim entre outros.


Quando você começou a se envolver com jornalismo?
Toda criança, quando começa a ler jornais vai direto nos quadrinhos, eu adorava entretenimento e coluna social, eu tinha uns 6 anos de idade... No final dos anos 80, venci um concurso de críticas sobre o trabalho dos Paralamas do Sucesso e ganhei um disco de ouro das mãos do Hebert Viana. Em seguida fui convidado a ser colunista do jornal do meu bairro e de lá para cá não parei mais.

Você é contra ou a favor do diploma no curso de jornalismo?
É um assunto delicado e complexo: existem pessoas que sabem se expressar bem, com boas idéias e não tem formação acadêmica, da mesma forma que existem jornalistas formados que não sabem concluir uma frase. Jornalismo para mim é paíxão, o profissional deve estar sempre atualizado.

Como foi assessorar grandes nomes da Rede Globo?
Fui convidado pela empresária Fabiana Kherlakian a assessorar atores de sua agência na época como Cauã Reymond, Mariana Ximenes, Marcelo Antony, Fábio Assunção, Nivea Stelmann, Marcos Pasquim, Carmo Dalla Vecchia, Sergio Abreu, entre outros, ao lado da Camila Lamoglia, que é uma grande profissional nesse segmento. Foi uma experiência enriquecedora trabalhar com artistas tão queridos e talentosos como eles. Hoje fico orgulhoso em vê-los atuando e torço muito pelo sucesso de cada um. 

E como começou a sua empresa, a Talentmix?
Eu já havia trabalhado em duas empresas de comunicação: o Officecomm e a Real Important Person e durante 15 anos trabalhei na Folha de S.Paulo, que é o maor jornal do país. Sempre tive vontade de ter meu escritório, onde pudesse desenvolver minhas idéias e assessorar. O nome foi idéia do jornalista Thiago Rocha, que é meu amigo há um tempão e sugeriu que o nome da empresa deveria estar associado a "mix de talentos", de várias áreas e o primeiro logotipo quem desenvolveu foi outro amigo querido, o cantor Matheus Herriez. Começamos pequenos, mas atendendo gente grande. A Talentmix é um dos meus maiores orgulhos.

Você é muito requisitado nesse meio? 
Sim, tenho um amigo jornalista que diz que eu adoro movimentar o mercado. Recebo propostas de assessoria diariamente de quase todos os segmentos, mas analiso com tranquilidade e não me arrisco ao me associar com qualquer pessoa, se eu cuido da imagem dos outros, imagine da minha.


Qual a principal qualidade de um assessor de imprensa?
Acredito que a principal qualidade de um ser humano é a sinceridade, isso facilita qualquer relacionamento. Honestidade não deveria ser atributo, mas infelizmente hoje é. Infelizmente nesse mercado existem muitos oportunistas, que é bem diferente de estar atento às oportunidades.

O que você acha das "celebridades relâmpago"?
Primeiramente, celebridade é uma qualidade de uma pessoa célebre. Eu considero celebridade Alberto Santos Dumont, Thomas Edson, Marconi (inventor do rádio), Lady Di, Chico Xavier, Michael Jackson, Madonna e por ai vai. Essas pessoas que aparecem do nada são "personalidades". Algumas são engraçadas, outras oportunistas, o melhor é saber que passam logo, por isso são chamadas de "relâmpago".

Você é bem atuante no Twitter? Como é sua relação com a ferramenta?
O Twitter e o Facebook são excelentes ferramentas de comunicação, principalmente na minha área de atuação, onde posso ampliar a visibilidade sobre determinados assuntos, as vezes para mim funciona como uma terapia ou válvula de escape, mas sempre tomando cuidando com os textos publicados.

Já vi você discutindo com jornalistas no Twitter...
Sim, algumas vezes. Acredito que um profissional de comunicação deve sempre checar suas fontes, antes de publicar notícias mentirosas com o simples objetivo de chamar a atenção para o seu veículo e ter mais "clics", esquecendo que corre o risco de ser processado, além de prejudicar a vida das pessoas envolvidas. Antes de escrever ou falar, devemos sempre nos colocarmos no lugar do "outro", fica mais fácil de compreender.

Você já trabalhou com pessoas que escondem seus "defeitos", como sua sexualidade?
E desde quando sexualidade é defeito? O artista ou profissional deve ser avaliado em sua área de atuação e não em suas preferências sexuais. O público precisa diferenciar isso, mas infelizmente a indústria da fofoca é mais atuante nisso, que no trabalho do artista.

Me fale sobre o seu livro
Estava batendo um papo com estudantes de comunicação em uma palestra no auditório de uma faculdade e eles, interessados em atuar em assessoria artística, me deram esse toque. Achei a idéia incrível e comecei a escrever. A idéia é fazer um livro sobre "cases" que vivenciei ou que tomei conhecimento. Já tenho editora interessada e quero lançá-lo no ano que vem, não finalizei ainda por questão de tempo mesmo.

Você tem uma boa relação com a imprensa?
Tenho sim, respeito o trabalho deles. Já trabalhei em rádio (sou locutor), fui reporter de TV, colunista de jornal e ja ralei muito em pautas. Sei o que eles passam e respeito o trabalho de todos. Quando se conhece o outro lado, tudo se torna muito mais fácil. Existem casos de assessores que me barraram em pautas e hoje se oferecem para serem parceiros da minha agência.


Por qual assessorado você tem mais carinho?
Por todos! Trabalho com quem gosto e acredito na carreira. Se eu fosse aceitar todas as propostas de assessoria que recebo, estaria rico e mal falado no mercado, ou até mesmo fora dele.

Existe muito amadorismo na sua área?
Infelizmente como em toda profissão existe amadorismo e oportunismo. Sempre me deparo com pessoas sem a menor qualificação se dizendo "assessores" de determinados artistas. Alguns assessores gostam de aparecer mais que o assessorado e não tem o mínimo de preparo para desenvolver um release e muitas vezes ganham espaço no "Cantinho do Assessor" do "Te dou um dado" do R7, onde viram motivos de piada.

Como você vê o mercado artístico nacional?
Carente de bons profissionais tanto no palco quanto no backstage. Já tive oportunidade de conhecer grandes artistas que não tiveram oportunidades e péssimos artistas que a mídia dá espaço. É uma relação engraçada, não entendo como as pessoas surtam com os 15 minutos de fama, tão comentado por Andy Warhol. Sempre digo que fazer sucesso não é difícil, o complicado é manter-se no meio. Para isso, o artista deve, além de ter talento, ser acompanhando por uma equipe de trabalho (empresário, assessor, produtor) que juntos traçarão estratégias de carreira.

É dificil ser um assessor de artistas?
Diferente de você assessorar uma empresa ou um produto do varejo, você está lidando com pessoas que tem vários sentimentos (positivos ou não), então nesse momento você deve procurar ser o mais racional possível e saber abstrair fatores negativos e canalizar positividade em tudo o que fizer. Eu gosto de gente, adoro desafios e sou focado em resultados, isso facilita o meu trabalho. Trabalho com assessorados maravilhosos, grandes e talentosos artistas e não tenho o que reclamar. Muito pelo contrário, agradeço imensamente por confiarem no meu trabalho e da minha equipe.

Quem você não assessoraria?
Na minha agência temos um lema "trabalhamos com quem acreditamos" e seguimos isso. Não existe essa ou aquela pessoa, desenvolvemos um planejamento para cada artista.

Quem você adoraria assessorar?
Um monte de gente. O mercado necessita de novidades constantemente. Tem muita gente talentosa por ai e muitos artistas já consagrados que necessitam de estratégias para ter mais visibilidade em seu trabalho. Na verdade, o mercado carece de bons profissionais que tenham uma visão mais comercial e estratégica de carreira. 

Você já estressou com algum assessorado?
Claro que sim. Acontece, divergências de pontos de vistas, mas respeito e confiança devem sempre caminhar juntos.

Você é  considerado um dos melhores assessores de imprensa do país, que dica daria a estudantes de jornalismo que querem seguir para esse caminho?
Obrigado, sou apenas um cara que ama o que faz e dessa forma, o resultado positivo é um resultado natural. Minhas dicas para novos jornalistas são: leiam muito, mantenham-se atualizados, sejam sinceros em seus relacionamentos profissionais e não se deslumbrem com o meio de atuação, simplesmente faça o seu melhor.


Bate Bola
Twitter: uma terapia 
Qualidade: sinceridade e bom humor
Defeito: ansiedade
Orgulho: meu filho, minha família e minha agência
Vergonha: pessoas preconceituosas
Amigos: poucos e bons
Inimigos: devo ter...sei lá! Não me preocupo com eles.
Cantor: Michael Jackson, Pet Shop Boys, Ricky Martin, Roberto Carlos, Lulo,
Cantora: Madonna, Wanessa, Kate Perry, Donna Summer, Kylie Minogue, Leilah Moreno, Vanessa Jackson, Negra Li, Shirley Carvalho...
O que você ouve? pop, romântico, dance, black music
O que você não ouve? rock metal
Cinema: musicais, suspense, aventura
Viagens: Paris, New York, Las Vegas, Miami e Nordeste e Sul do Brasil
Um sonho: ter uma casa no campo

Quer saber um pouco mais? Acesse o blog: www.robertorodrigues.com.br

Entrevista: Roberto Rodrigues, o assessor mais pop do mercado Entrevista: Roberto Rodrigues, o assessor mais pop do mercado Reviewed by Equipe Cultura VIP on 15:28 Rating: 5

Author Box